O Automonitoramento glicêmico no controle do diabetes

Se você deseja conseguir chegar a um equilíbrio glicêmico, então você deve monitorar sua glicemia constantemente, pois este nada mais é do que o maior segredo para se ter um bom controle e para poder viver uma vida normal e com muita qualidade!

Deve-se traçar um plano em conjunto com o médico, para que este determine quantas vezes e em quais horários deve ser feita a medição da sua glicemia e as anotações dos resultados.

As medições devem ser feitas sempre nos mesmos horários. A orientação inicial para realização adequada do automonitoramento glicêmico é lavar bem as mãos com água e sabão e secar antes do procedimento ou realizar limpeza local com algodão e álcool. Na correria do dia a dia observamos que isso nem sempre é realizado e as variações nos valores glicêmicos com técnicas não adequadas são pouco estudadas. Deve-se sempre utilizar a segunda gota de sangue, a fim de se evitar que fatores externos façam com que o teste mostre valores irreais.

Uma boa dica é construir uma planilha como esta (fonte: Blog Jujuba Diabética) e anotar os valores obtidos nos testes de glicemia e a dosagem de insulina ou de medicamento administrada:

Exemplo de tabela de controle glicêmico (fonte: blog Jujuba Diabética)
Exemplo de tabela de controle glicêmico (fonte: blog Jujuba Diabética)

 

Depois de completa a planilha, pode-se editá-la, criando-se uma legenda e grifando-se os valores dos resultados dos testes nas cores dos intervalos glicêmicos da legenda.

Esta planilha será um fator determinante para que o seu médico, ao avaliá-la em suas consultas, possa observar como é feito o seu controle e em quais horários sua glicemia está tendo maiores picos de descompensação, para que assim ele possa determinar se deve continuar com a mesma conduta de tratamento ou se deve modificá-la para que fique adequada às suas necessidades.

Em resumo, o automonitoramento é uma prática indispensável para o bom controle do diabetes. Porém, deve ser feito corretamente e sempre nos mesmos horários, pois caso contrário torna-se um recurso inútil se praticado de maneira equivocada.

 

Fontes:
– http://www.diabetes.org.br/colunistas-da-sbd/educacao/1766
– http://jujubadiabetica.blogspot.com.br/2011/06/planilha-glicemica-de-maiojunho.html

 

5 Comentários


  1. queria saber se essa planilha esta disponível pra downloads , gostei demais , fico grato deste já , abraço!

    Responder

  2. Sou diabético desde 1998.
    Com uma equipe de profissionais, faço insulinoterapia. Vou mostrar o modelo do tratamento:
    Dia 1 glicemia em jejum, 20 Unidade de Insulina NPH.
    Dia 2 glicemia 2 horas depois do café, 20 Unidade NPH
    Dia 3 glicemia antes do almoço, 20 Unidade NPH
    Dia 4 glicemia 2 horas depois do almoço, 20 Unidade NPH
    Dia 5 glicemia antes de jantar, 20 Unidade de NPH
    Dia 6 Glicemia 2 horas depois do jantar, 29 Unidade de NPU
    Dia 7 glicemia antes de dormir.
    Dias- 8 e 9 – Descanso

    Dia 10 – Recomeça a série acima. Sempre a glicemia começa baixa 92 ou 98 ou mesmo 100
    Porém nos últimos dias da série a glicemia vai aumentando chegando a 225 ou maior

    Grato, Inácio Silva

    Responder

    1. Oi Inácio! Provavelmente a dose de insulina nos últimos dias não está sendo suficiente, portanto recomendo a você pedir uma segunda opinião de um endocrinologista, ou então conversar com o seu endócrino para chegar a um consenso de dosagem que cubra estas alterações. Um grande abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.