Nefropatia Diabética: uma complicação silenciosa

A Nefropatia Diabética é uma das sérias complicações do diabetes, a qual ocorre devido aos altos níveis de glicose no sangue. Os rins têm a função de filtrar através de seus capilares todo o conteúdo do sangue, e quando a glicemia está fora dos limites normais, os rins têm o seu trabalho dobrado para filtrar todo o açúcar e o eliminá-lo através da urina, muitas vezes impedindo até a absorção de nutrientes essenciais para o organismo (ocorrendo até anemia). Então os néfrons, que fazem o processo de filtragem, são prejudicados e não conseguem mais realizar o mesmo. É quando insuficiência renal aparece.

nefropatia-diabética

Se você sofre de anemia constante, é aconselhável averiguar a causa dela, pois pode ser um primeiro indício de que seus rins estão prejudicados, necessitando assim a atenção de um nefrologista.

A insuficiência renal pode ser detectada num paciente diabético através dos exames de microalbuminúria e de proteinúria de 24 horas, que constatam a presença de uma proteína (albumina) na urina, cuja concentração aumenta bastante em caso de lesão renal. A nefropatia diabética é o reflexo de anos de descontrole nas taxas glicêmicas. Então, para prevenir o desenvolvimento desta complicação, mantenha sempre seus níveis glicêmicos monitorados! Controle seu diabetes e tenha uma vida normal, sem complicações!

Fontes:

– SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes): www.diabetes.org.br

– Portal Diabetes: www.portaldiabetes.com.br

 

12 Comentários


  1. Gostei e aprendi muito sou diabetica a 28 anos e ja estou apresentando alguns problemas

    Responder

  2. Gostei da informação, e leio bastante, para me informar dos progressos feitos através de pesquisas, e colocoem pratica, da melhor maneira !!
    Quero ter vida saudável !!

    Responder

  3. Queria muito que minha filha fizesse as coisas certas mas ela está muito revoltada.
    queria muito ajuda de alguém que falasse com ela até mesmo uma psicóloga sei lá
    alguém que me ajude na colocar na cabeça dela, que faça as coisas certas. ela não quer saber de nada , entra por um ouvido e sai por outro. por favor me ajudem me deem
    uma luz pq não sei mas o que fazer . obrigada.

    Responder

    1. Oi Cristina! Na verdade, seria bom ela conversar com alguém que já tenha diabetes para poder aconselhá-la a se cuidar, para prevenir problemas futuros! Você pode dizer a ela que se ela quiser conversar comigo, é só me ligar no (47)3363-3686, que aí a gente combina de conversar através do skype! Um grande abraço, e tudo de bom!

      Responder

  4. Tenho 62 anos e, convivo com o diabétes desde os 48, quando tive um grande choque emocional. Tinha meu filho muito pequeno, era viúva e sem ajuda de niguém, tive de trabalhar muito e sofria pelas dificuldades dele.
    Após, quase 11 anos comecei um relacionamento com uma outra pessoa que estamos juntos já há 12 anos; não é uma criatura de todo ruim mas muito mal esclarecido e muito pouco ou quaqse nada preocupa-se com o fator saúde, tanto pr’á ele quanto pr’á mim. Meu filho, pela sua vez, por mais maduro que possa ser, já com 27 anos ainda me preocupa porque é solteiro. O relacionamento de meu companheiro com meu filho está desejando muito à desejar, ando muito triste, isso me acarreta problemas de ordem emocional que reflete no meu processo de ser mais saudável.
    Acho que a maior falha dessa doença embora não aprente teria de ter um acompanhamento junto com os familiares, para que saibam os mal que o stress causa, nos levando a problemas maiores do que a simples morte física, a emocional. Acho então que todo paciente diabético deveria ter o direito de ter acompanhamento psicológico à toda família, com acompanhamentos regulares e esclarecimentos para não tornarem-se assassinos do próprio ente querido.
    Como o nosso governo não investe nada que não lucre, acho que deveriam existir comunidades de interessados e doentes, pois a falta de esclarecimento na área é imensa.
    Obrigada por acolherem meu desabafo e torço para que isso um dia possa acontecer.
    Sonia Fávero

    Responder

    1. Com certeza Sonia, o apoio da família aos diabéticos é fundamental, e faz com que haja uma melhor aceitação do diabetes por parte de todos. Todos os diabéticos e familiares deveriam ter acesso ao atendimento psicológico. Você pode encontrar atendimento psicológico nas Associações de Diabéticos. Existem muitas associações que contam com profissionais excelentes, e que fazem toda a diferença na vida dos diabéticos! Inclusive, é uma maneira de você conhecer e trocar experiências com mais pessoas que têm o mesmo problema, facilitando, desta forma, o seu entendimento e lhe ajudando cada vez mais a lidar com o seu diabetes. Um grande abraço!

      Responder

  5. Meu marido é diabetico 2,porém ultimamente ele tem sentindo muita dores nas pernas(ATRAZ) E DE VEZ QDO SENTE UMA FISCADA Q CHEGA quase cair.toma remedio p/isso e nada tá adiantando,está tomando insulina,tem alguma solução p/esse tipo de dor?.
    No aguardo de uma resposta c/a maxima urgencia
    Obreigada

    Responder

    1. Oi Miriam! Tudo bem? Eu aconselho ele a conversar com o endócrino dele para saber o motivo da dor (pode estar relacionado a diversas causas, principalmente a problemas na circulação, e à neuropatia diabética). Um abraço!

      Responder

  6. Infelizmente tenho essa doença apareceu uns 8 anos e em mais tres irmãs. Não consigo me conformar, adoro doces, chocolates, e só de pensar de não poder comer me revolto, e não consigo fazer dieta. Com isso ando muito depresiva.

    Responder

    1. Oi Maria! Não fique triste, hoje em dia já existem produtos diet com sabor idêntico ao dos produtos comuns! Hoje em dia já é possível se reproduzir receitas deliciosas, pois os adoçantes estão cada vez mais sendo aprimorados, para que o sabor fique idêntico ao do açúcar. Este mito de que o diabético não pode consumir açúcar já caiu também por terra, pois sabemos que todos os alimentos possuem açúcar (na forma de amido), e de certa forma alteram os níveis glicêmicos. Sabendo ter um equilíbrio da ingestão de carboidratos, é possível saciarmos aquele desejo incontrolável de comermos um docinho. Mas, para isto, devemos fazer substituições dos alimentos (diminuir um pouco a ingestão de massas, arroz, pães, para podermos saborear um docinho de vez em quando). Comer um docinho de vez em quando não mata ninguém. Pelo contrário, às vezes a ansiedade de querermos comer um docinho e não podermos acaba até aumentando ainda mais a glicemia do que se tivéssemos comido. Por isso, é super importante conversar com o seu endócrino, para que ele estabeleça um equilíbrio em sua dieta, para que você possa cometer estas pequenas (mas muito saborosas) extravagâncias de vez em quando! Um grande abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.